Web Radio Jesus Cristo Gospel: 2016-06-05

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Jovem se converte após acampamento de verão

"Depois do acampamento passei a orar pela minha família, embora eu não possa contar sobre minha nova fé"
10-asia-central-0430103978.jpg
Madina* é uma jovem cristã da Ásia Central. Ela nasceu numa família muçulmana, e quando nasceu, seus pais desejavam que fosse um menino. Em sua infância, sempre foi muito obediente e gentil e na escola foi uma das melhores alunas, além de se destacar entre os jogadores de basquete de sua cidade. Mas ela parecia estar sempre provando para os pais que era digna do amor deles. Sua aparência era a de uma garota alegre e forte, mas somente os mais próximos sabiam o quanto ela sofria e era frágil por dentro. Vivia solitária e tinha sérios problemas em casa, em especial com seu pai, Nurbek*, que era alcoólatra. Sua mãe, Aygul* sofria de problemas cardíacos.
Quando chegou na adolescência, a menina acumulou inúmeros traumas, além de alimentar rancor pelo pai. Ela já não tinha sonhos para o futuro e nunca fez planos também. Sem vontade de viver, chegou a pensar em suicídio. Seus primos e primas sabiam de sua condição, então quando ela completou 15 anos de idade, eles a convidaram para participar de um acampamento de verão, organizado pela Portas Abertas. Além de ter sido uma oportunidade única de descanso e distração, com jogos, dança, canto, artesanato, teatro e natação, Madina teve a oportunidade de conhecer Jesus.
"No início ela se fechou, não conversava com ninguém e não se enturmava, mas conversamos com ela, que depois chorou e desabafou. Então, apresentamos Cristo e seu imenso amor e foi algo que a tocou profundamente", compartilhou um dos professores. "Depois dessa experiência, senti que deveria perdoar meu pai por ter arruinado minha infância, assim como Deus perdoou os meus pecados. Depois do acampamento passei a orar pela minha família, embora eu não possa contar sobre minha nova fé", revela a jovem. Atualmente, seu pai já não bebe com tanta frequência e está mais calmo e a saúde de sua mãe melhorou muito. Medina lê a Bíblia secretamente e participa de reuniões com seus primos, sempre que pode. "Eu creio que Jesus pode salvar meus pais, da mesma forma que me salvou e me transformou. Agora eu sei que terei um futuro feliz com Ele", conclui.

Mais um cristão libertado no Irã

Mohammedreza também está em liberdade. Os cristãos perseguidos do Irã sabem que podem contar com nossas orações, eles agradecem e pedem para que elas não cessem
10-iran-0050000582.jpg
No início desse mês, a Portas Abertas informou que os cristãos Yasser, Saheb, Yousef Nadarkhani e sua esposa Tina foram libertados. Porém, o irmão Mohammedreza Omidi, ainda permanecia na prisão. No dia 7 de junho, ele também recebeu a liberdade após pagamento da fiança, também no valor de 33 mil dólares.

As prisões começaram depois que agentes de segurança invadiram a casa de Yousef Nadarkhani, um líder de igreja que atraiu a atenção mundial quando foi acusado de apostasia e condenado à morte em 2010. Embora ele tenha sido absolvido e libertado em 2013, junto com sua esposa Tina e Yasser Mossayebzadeh, foi preso novamente. Yousef e Tina foram soltos no mesmo dia, mas Yasser permaneceu detido. Dois outros cristãos, Saheb Fadaie e Mohammedreza Omidi, foram convocados pela segurança local e também ficaram presos. Para a polícia, todas as prisões tinham conexões.

Inicialmente, Mohammedreza não recebeu a opção de pagar fiança, mas seu pedido de liberdade condicional foi aprovado mais tarde e ele foi autorizado a deixar a prisão de Lakan, em Rasht, na última terça-feira, depois de pagar fiança no mesmo valor que Yasser e Saheb pagaram. Lhe informaram que ele seria convocado novamente, embora as acusações contra ele e os outros cristãos ainda sejam desconhecidas.
Os cristãos agradecem as orações da família da fé ao redor do mundo e pedem que intercedam para que não precisem enfrentar novas acusações sobre a escolha de seguir a Jesus ou pelas atividades cristãs que realizam. Eles também pedem para que orem pedindo a Deus que lhes conceda paz e sabedoria a eles e suas famílias e que não sejam pressionados a deixar o país.

Há dois anos os cristãos foram expulsos de Mossul


Eles tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias, ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo
10-iraq-reuters.jpg
Mossul é a terceira maior cidade do Iraque, depois de Bagdá e Baçorá, e segundo pesquisas arqueológicas, também é a antiga Nínive citada na Bíblia. Atualmente, a região se encontra sob o domínio do Estado Islâmico (EI), que a ocupou em junho de 2014, declarando solo islâmico. Na ocasião, os cristãos foram pressionados pelos radicais e tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo. Aqueles que não obedecessem seriam executados. As casas dos cristãos foram marcadas com a frase "propriedade do Estado Islâmico".
Dos 2 milhões de pessoas que viviam em Mossul, metade (predominantemente muçulmana) decidiu ficar para não perder seus bens. Em 2015, segundo informações do site de notícias Terra, aqueles que ficaram não podiam mais abandonar a cidade sem o comprometimento de voltar nos prazos obrigatórios, para não correr o risco de perderem suas casas ou veículos apreendidos. Além disso, tiveram que ver de perto os métodos do EI, como decapitações públicas, apedrejamentos e crucificações. A cidade vivia praticamente no isolamento.
Muitas famílias cristãs fugiram da cidade desde a invasão do Estado Islâmico. Boa parte foi para a região relativamente segura "curda" ou para um bairro cristão no país, levando apenas o que puderam transportar. Mesmo diante desse cenário, um cristão compartilha como Deus tem sido muito bom para com ele: "Vivo hoje em um pequeno apartamento em Erbil e estou feliz com isso. Eu acho que nunca vou voltar para Mossul. Mas apesar de tudo, há boas oportunidades para minha esposa e eu em Erbil, estamos reconstruindo as nossas vidas aqui. "
Estendendo a mão
Através de igrejas locais e parceiros de todo o mundo, a Portas Abertas continua a apoiar os cristãos deslocados internamente, que vivem em campos de refugiados ou prédios abandonados. Você quer ajudar? Conheça nossa campanha Mantenha a Igreja viva no Iraque e Síria e nos ajude a continuar levando esperança para quem compartilha da nossa fé, mas não da nossa liberdade em um contexto de guerra e perseguição religiosa. Envolva-se agora mesmo!

"Alá não é o nosso Deus"

"Alá não é o nosso Deus", diz placa em frente a uma igreja batista dos EUA

A mensagem foi colocada na placa em frente ao templo por iniciativa do pastor Michael Harrington. "Eu não sou politicamente correto. Eu nunca fui politicamente correto, mas eu acho que estou biblicamente correto, e é isso que importa para mim", diz.


Instalada em frente à igreja, a placa diz "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus". (Imagem: KATU)
Instalada em frente à igreja, a placa diz "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus". (Imagem: KATU)
Uma pequena igreja batista de Hood River, Oregon (EUA) instalou em seu terreno, uma placa para enfatizar que "Alá não é o nosso Deus" e que o profeta islâmico "Maomé não é maior que Jesus".
Em outro lado da placa, a igreja também aponta que o Alcorão é "apenas um livro comum", enquanto a Bíblia "é a Palavra de Deus".
As mensagens, posicianadas do lado de fora de do templo da Igreja Batista Missionário Belmont, dizem: "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus" - como mostra a imagem acima.
Do outro lado da placa, a mensagem escrita diz: "Somente a Bíblia é a Palavra de Deus. O Corão é apenas mais um livro".
As mensagens foram colocadas na placa por iniciativa do Pastor Michael Harrington, 74, líder da igreja, que está defendendo o movimento e diz que a iniciativa é bíblica.
No entanto, várias pessoas, incluindo o prefeito da cidade, estão protestando contra as mensagens na placa.
O residente local, Eric Cohn viu as mensagens na placa, enquanto andava de bicicleta pela área.
"Eu literalmente tive que parar e voltar para ter certeza que eu vi aquela placa. Eu me senti profundamente ofendido e chateado com isso", disse Cohn.
Cohn escreveu uma carta a um jornal local por causa da preocupação.
O prefeito de Hood River, Paul Blackburn disse que se sentiu "muito irritado e triste" com a mensagem.
"Estou aborrecido que nesta temporada política haja um caso como este acontecendo. Eu acho que as normas deste tipo de comportamento são como: 'oh não há problema em ser um fanático agora", disse ele.
Defendendo a exposição das mensagens na placa em frente à sua igreja, o pastor Michael Harrington reconheceu que a iniciativa pode não ser "politicamente correta", mas é "biblicamente correta".
"Eu não sou politicamente correto. Eu nunca fui politicamente correto, mas eu acho que estou biblicamente correto, e é isso que importa para mim", disse ele.
O pastor disse que não odeia os muçulmanos, mas lembrou que o conceito de que os muçulmanos e os cristãos adoram o mesmo Deus é errado.
"Não é nada contra qualquer denominação particular. É apenas o fato de que eu tenho ensinado e continuarei a ensinar que eu tenho um Deus, um caminho de salvação e uma Bíblia, que são sagrados", disse ele.
Ele disse ao jornal The Oregonian que "as pessoas são enganadas e ficam confusas sobre o verdadeiro Deus".
"Eu só estava lembrando que há diferenças entre Alá e Deus", explicou.

Pastor passa com carro sobre fiéis para “demonstrar poder do Espírito Santo”

Pastor passa com carro sobre fiéis para “demonstrar poder do Espírito Santo”

Penuel Mnguni coleciona polêmicas por causa dos seus ensinos

Pastor passa com carro sobre fiéis para “demonstrar poder do Espírito Santo”Pastor passa com carro sobre fiéis para "demonstrar poder"
O controverso pastor Penuel Mnguni voltou a causar alvoroço na África do Sul com seus ensinamentos. No passado, ele ensinou os fiéis a tirarem as roupas para que ele pudesse sentar sobre seus corpos e então orar por elas por cura. Também já ofereceu cobras vivas em um culto dizendo que “pela fé”, elas se transformarão milagrosamente em chocolate.
Agora, ele postou em seu perfil do Facebook fotos de uma reunião ao ar livre onde ele passa com seu carro sobre duas pessoas que estão deitadas na rua. As imagens foram feitas em frente ao estádio Kameelrivier, onde ocorreu uma de suas cruzadas.
No texto que acompanha as fotos, ele explica que trata-se de uma “demonstração de poder”. Ele teria ordenado que os homens caíssem no sono. Quando estava com o carro sobre seus corpos, mandou que eles acordassem. Depois de passar por cima dos fiéis, perguntou se eles sentiram alguma dor e a resposta foi “nós não sentimos nada”.
Fiéis esperando pelo carro.
Fiéis esperando pelo carro.
Não satisfeito, o pastor deu marcha a ré, passando novamente sobre eles. Para espanto dos presentes, os homens se levantaram e começaram a dançar e louvar a Deus. Segundo o relato na rede social, a demonstração de fé serviu para comprovar que o cristão tem em si “o poder e a habilidade dados pelo Espírito Santo de Deus”.
Afirmando ser um ‘profeta’, Penuel dirige o ministério “Discípulos do Final dos Tempos”. Ele se diz perseguido. Ele está sendo investigado pela Comissão para os Direitos Culturais, Religiosos e Linguísticos da África do Sul (CRL Rights Commission).
As autoridades estão exigindo que vários líderes religiosos respondam judicialmente pela“comercialização de religião e abuso de crença”. Com informações de News24

Canadá legaliza “parcialmente” sexo com animais

Canadá legaliza “parcialmente” sexo com animais

Desde que não haja penetração, bestialidade é "aceitável"

Canadá legaliza “parcialmente” sexo com animaisCanadá legaliza "parcialmente" sexo com animais
A Suprema Corte do Canadá decidiu nesta quinta-feira (9), que determinados atos sexuais entre humanos e animais são legais. Em uma decisão inesperada, absolveram um homem que estava sendo julgado por estuprar suas próprias filhas da acusação de “bestialidade”.
O homem teria “passado manteiga de amendoim nas genitais de suas vítimas enquanto o cão da família lambia, ele filmou o ato”.
Por sete votos a um, os juízes decidiram que é admissível os seres humanos terem contato sexual com animais desde que não haja “penetração”. Em sua decisão, o tribunal decidiu que a legislação atual não define claramente o que é considerado bestialidade no país.
Os advogados do homem que entrou com o pedido, conhecido apenas pelas iniciais DLW, usaram a falta de clareza da lei para anular acusações contra seu cliente. Conforme relatado pelo jornal The Independent, a Suprema Corte entende que “na essência, a penetração é o ato que determina o crime”.
Mesmo assim, “DLW” continuará cumprindo sua sentença – ele foi condenado a 16 anos de prisão. O pedido de anulação dessa acusação era uma tentativa de diminuir a pena. A juíza Rosalie Abella, única a votar contra, afirmou que “atos sexuais com animais são inerentemente um desvio, mesmo que não haja penetração”.
A decisão irritou ativistas pelos direitos dos animais. Camille Labchuk, que lidera da ONG ANimal Justice, reclamou: “A partir de hoje, a lei canadense dá aos abusadores permissão para usar animais para sua própria satisfação sexual”.
Para ela, “Isto é completamente inaceitável, contrário às expectativas da sociedade, e não pode ser autorizado a continuar.” Afirmou ainda que isso apenas motiva sua luta por uma reforma na legislação de proteção aos animais. Ela não comentou o fato de crianças serem as vítimas do caso.

Situação em outros países

Condenada desde os tempos bíblicos (Levítico 20), a prática vem sendo debatida em outros países. Nos Estados Unidos, recentemente um homem de 61 anos de idade foi preso em Ohio por cometer atos sexuais com cães.
Os ativistas dos direitos dos animais exigiram que o Estado tornasse mais explícito que o sexo entre humanos e animais está proibido pela lei estadual. Na verdade, Ohio é um dos 11 estados norte-americanos que não possuem quaisquer leis antibestialidade. Isso tem dado margem para que os processos sejam encerrados sem condenação.
O jornal Daily Mail revelou uma tendência na Europa, os chamados “bordéis animais”, onde muitas pessoas querem exercer seu direito de praticar sexo com animais como mais uma “opção de vida”.
Na Alemanha, por exemplo, a bestialidade foi legalizada em 1969 para casos em que o animal não seja maltratado “de forma significativa”. Dinamarca e Noruega possuem legislação semelhante, permitindo o ato “desde que os animais não sofram”.
No Brasil, a lei prevê detenção, de um a três anos, e multa a quem comete ato de zoofilia ou bestialidadeCom informações de Breitbart e The Independent

Governo Temer revisa voto na ONU e fica ao lado de Israel

Governo Temer revisa voto na ONU e fica ao lado de Israel

Itamaraty emite nota condenando ataques de terroristas em Tel Aviv

Governo Temer revisa voto na ONU e fica ao lado de IsraelGoverno Temer revisa voto na ONU e fica ao lado de Israel
A  governo interino de Michel Temer não está mostrando mudanças de postura apenas no Brasil. O Itamaraty, agora comandado por José Serra, decidiu mudar o voto brasileiro na 199ª Sessão da Unesco, realizada em abril.
Na ocasião, foi debatido os direitos pelo patrimônio culturalnos territórios conquistados por Israel na Guerra dos Seis Dias. O texto, que era abertamente pró-palestinos, foi aprovado por 33 votos a favor (incluindo o do Brasil). Houve ainda dezessete abstenções e duas ausências. Os votos contrários agora são sete. A França também voltou atrás neste voto.
Embora seja insuficiente para mudar a decisão do órgão das Nações Unidas que cuida da cultura, a postura mostra uma ruptura com a relação Brasil-Israel tão fragilizada durante os governos petistas.
A nova postura do Itamaraty fica clara na nota oficial: “O fato de que a decisão não faça referência expressa aos vínculos históricos do povo judeu com Jerusalém, particularmente o Muro Ocidental, santuário mais sagrado do judaísmo, é um erro, que torna o texto parcial e desequilibrado”.
O governo brasileiro deixou clara sua posição mais amigável em relação a Israel na nota emitida ontem (8).
“O governo brasileiro condena o covarde ataque terrorista que deixou ao menos quatro mortos hoje em Tel Aviv. Ao transmitir seus pêsames aos familiares dos mortos e sua solidariedade com o povo e o governo de Israel, o Brasil reitera seu firme repúdio a todas as formas de terrorismo, qualquer que seja sua motivação”, diz o documento.

Ruptura nos governos petistas

Embora dê sinais de reaproximação, o governo brasileiro ainda não desfez o imbróglio diplomático de Dilma Rousseff, que deixou Israel sem embaixador em Brasília desde o início do ano. 
O distanciamento das relação começou durante o governo Lula. Em 2010, foram enviados 10 milhões de dólares do erário público para o grupo político Hamas, que governa Gaza e é considerado uma organização terrorista. Foi justamente o Hamas quem assumiu a autoria do atentado desta semana em Tel Aviv.

A Record tem um dono evangélico, mas não é evangélica”, diz diretor

A Record tem um dono evangélico, mas não é evangélica”, diz diretor

A emissora estaria aberta para receber diversos projetos, até mesmo os com temáticas religiosas

“A Record tem um dono evangélico, mas não é evangélica”, diz diretor"A Record tem um dono evangélico, mas não é evangélica"
Durante a 1ª edição do Minas Gerais Audiovisual Expo, evento que aconteceu em Belo Horizonte (MG), o diretor de eventos especiais da Rede Record, Hiran Silveira, precisou esclarecer que a emissora não é um canal religioso.
A explicação foi precisa diante de questionamentos sobre possíveis restrições de programas com temática religiosa na grade da Record.
A pergunta é bastante fomentada por conta de a emissora pertencer ao bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, mas de acordo com Silveira essa ligação não interfere na grade.
“A Record tem um dono evangélico, mas não é evangélica”, disse o diretor aos presentes no evento. “Estamos abertos para encontrar parceiros, temos conteúdos policiais, de ação, denúncias e faremos uma série sobre lendas urbanas que pode quebrar esse paradigma da Record”.
Mesmo sem querer rótulos ligados à religião, a emissora está investindo em programações bíblicas como “Os Dez Mandamentos: Nova Temporada” e “A Terra Prometida”.
Mas estes não são os únicos projetos do canal que tem terceirizado suas produções. A próxima novela a estrear na emissora será “Escrava Mãe” e ainda terá os realities “A Fazenda” e “Power Couple Brasil”. Com informações IG