Web Radio Jesus Cristo Gospel: 2014-01-12

sábado, 18 de janeiro de 2014

Plano de demissão voluntária da Petrobras envolverá 8,4 mil, diz FUP

Plano de demissão voluntária da Petrobras envolverá 8,4 mil, diz FUP
SÃO PAULO, 17 Jan (Reuters) - O plano de demissão voluntária anunciado nesta sexta-feira pela Petrobras envolverá 8.379 petroleiros, dos quais 6.879 aposentados que continuam trabalhando para a empresa, segundo o sindicado dos trabalhadores.
Atualmente, a estatal conta com cerca de 85 mil empregados, segundo informação no site da empresa, o que indica que o programa poderia envolver aproximadamente 10 por cento dos trabalhadores da companhia.
A Federação Única dos Petroleiros (FUP) informou ainda que o incentivo para a adesão ao plano será de 10 remunerações, acrescido de 40 por cento do FGTS, com piso e teto estabelecidos pela empresa.
Procurada, a assessoria de imprensa da Petrobras informou que não dispunha de tais informações.
A Petrobras informou mais cedo que o plano é fruto da implantação do Programa de Otimização de Produtividade (POP), "que tem por objetivo influenciar positivamente na produtividade da Petrobras visando contribuir para o alcance das metas de desempenho do Plano de Negócios e Gestão", o maior plano corporativo do mundo, de 237 bilhões de dólares em investimentos em cinco anos.
A assessoria de imprensa afirmou ainda em nota separada que o programa aprovado pela Diretoria Executiva da Petrobras tem por objetivo "atender às expectativas dos empregados interessados em se desligar da empresa e preservar o conhecimento técnico existente na companhia".
Poderão se inscrever no PIDV empregados já aposentados pelo INSS que permanecem trabalhando na companhia, os que possuem tempo e idade para se aposentar pelo INSS, mas ainda não deram entrada no requerimento de benefício de aposentadoria (devendo estar aposentados até o término das inscrições) e que já podem se desligar da companhia a qualquer momento por possuírem idade igual ou superior a 55 anos até 31 de março (término das inscrições), além de tempo de contribuição nos planos Petros (caso optante pela Petros).
As inscrições de empregados elegíveis e interessados no plano vão ocorrer entre 13 de fevereiro e 31 de março deste ano.
Os desligamentos ocorrerão em no máximo 36 meses após o término das inscrições e, neste período, deverá ser garantida a passagem do conhecimento e a continuidade operacional da companhia.
O programa prevê o pagamento de indenizações atreladas ao cumprimento dos planos de passagem de conhecimento.
A empresa disse ainda, por meio da assessoria de imprensa, que as regras serão divulgadas aos empregados da companhia até de 11 de fevereiro.
A Petrobras afirmou também que dará continuidade à realização de processos seletivos públicos, ainda sem previsão de data, para atender suas necessidades de pessoal vinculadas ao plano de negócios.

A Natureza

Britânico registra imagens de cavernas de gelo intocadas nos últimos mil anos - 1(©ALEX BRADBURY CATERS NEWS)

O Verde e a Natureza

ultimas notícias

Michelle Obama completa 50 anos

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, fala durante visita à Base Marinha Americana de Camp Pendleton, na Califórnia (© Reuters)Mulher do 44º presidente dos Estados Unidos, Michelle Obama completa 50 anos nesta sexta-feira (17). A primeira-dama encanta o mundo com seu estilo e carreira de sucesso, mas, segundo ela mesma, em primeiro lugar vem o posto de “mãe-chefe” para as filhas Malia e Sasha.
Ex-advogada e funcionária pública, Michelle advogava para pais trabalhadores, famílias de militares e para o serviço nacional.
Apelidada pela revista Vogue de “a primeira-dama que o mundo estava esperando”, ela diz que sua intenção é abrir a Casa Branca, ajudar as mulheres trabalhadoras como ela a equilibrar carreira e família, e acabar com a obesidade infantil com sua iniciativa “Let’s move!” ("Vamos nos mexer"). Como primeira-dama, porém, Michelle já teve de enfrentar também algumas saias justas.

Caixa Econômica Federal é vítima da maior fraude de sua história

SÃO PAULO, 18 Jan (Reuters) - A Polícia Federal informou neste sábado que desencadeou uma operação para desarticular um grupo que produziu no fim de 2013 a maior fraude contra a Caixa Econômica Federal, segundo informações do próprio banco estatal.
Segundo a PF, cinco mandados de prisão preventiva, 10 de busca e apreensão e um de condução coercitiva estão sendo cumpridos nos Estados de Goiás, Maranhão e São Paulo, dentro da "Operação Éskhara".
"A fraude consistiu na abertura de uma conta corrente na agência da Caixa no município de Tocantinópolis/TO, em nome de uma pessoa fictícia, criada para receber um falso prêmio da Mega-Sena no valor aproximado de 73 milhões de reais", afirmou a PF em seu website. "Em seguida, o dinheiro creditado foi transferido para diversas contas".
Ainda segundo a polícia, há indícios da participação de um suplente de deputado federal do estado do Maranhão no crime, dentre outros envolvidos. No decorrer da investigação, foi preso o gerente geral da agência de Tocantinópolis.
A PF afirmou já ter recuperado cerca de 70 por cento do dinheiro desviado.
Em nota, a Caixa informou ter acionado a polícia logo que constatou a fraude. "O banco continua acompanhando o caso e está à disposição da PF para colaborar com as investigações", diz trecho do documento.

Débito não autorizado é a principal reclamação dos consumidores

SÃO PAULO – Em dezembro de 2013, o débito não autorizado em conta foi a principal reclamação dos consumidores registrada pelo Banco Central, sendo que do total de 2.508 irregularidades, 444 são sobre o débito não autorizado.
Débito não autorizado é a principal reclamação dos consumidoresEm segundo lugar na lista de principais irregularidades, está a cobrança de tarifas por serviços não contratados pelos clientes, no total de 335 casos. Seguido pela prestação irregular do serviço de conta-salário (231).
Em comparação com dezembro de 2012, as reclamações com débito não autorizado cresceram 145%; no período foram registradas 181 queixas sobre o tema. Além disso, o total de reclamações também subiu, uma vez que no final de 2012 eram 1.131 registros de irregularidade.
Bancos
Segundo o Banco Central, no mês passado, o HSBC liderou o ranking de reclamações de clientes contra instituições financeiras, com 127 registros procedentes.
O banco teve índice de denúncias dividido por número de clientes igual a 2,15. Em segundo lugar aparece o Santander com 402 queixas em dezembro de 2013 e um índice de reclamações de 1,73. Veja abaixo os cinco bancos, com mais de 1 milhão de clientes, com mais reclamações no mês passado:
Procurado pelo InfoMoney, o Santander informou que “vem fazendo uma revisão dos seus serviços, ofertas e atendimento, com o intuito de torná-los mais simples e ágeis e, dessa forma, melhorar a satisfação dos clientes com o banco.”
Já a Caixa afirmou que é uma das instituições financeiras com mais de 1 milhão de clientes que mais tempo esteve fora do ranking divulgado mensalmente pelo Banco Central, tendo figurado apenas cinco vezes entre as cinco instituições mais reclamadas nos últimos 30 meses. “O desempenho da empresa é fruto do atendimento tempestivo e com qualidade aos questionamentos dos clientes, que busca excelência no atendimento e relacionamento com seus clientes. No mês de dezembro/2013, a presença da CAIXA no referido ranking é uma situação atípica diante do histórico demonstrado acima.”
O Banco do Brasil afirmou que "considera todas as manifestações de seus clientes e usuários e as aproveita como subsídio para melhoria de produtos, serviços e o atendimento, buscando, com isso, reduzir a quantidade de reclamações. No segundo semestre de 2013 o BB reduziu a quantidade de reclamações procedentes no Bacen em relação ao semestre anterior."
O HSBC informou que "sempre avalia o mérito de todas as demandas, independentemente de serem procedentes ou não, bem como de todos os registros nos canais do Banco, tais como SAC e Ouvidoria, e utiliza esses levantamentos para aprimorar o atendimento aos consumidores, clientes e usuários de seus produtos e serviços."

Funeral termina em tragédia na Índia, com 18 pessoas mortas

Funeral termina em tragédia na Índia, com 18 pessoas mortas
Nova Délhi, 18 jan (EFE).- Pelo menos 18 pessoas morreram pisoteadas na madrugada deste sábado durante o funeral de um líder espiritual muçulmano em Bombaim, no oeste da Índia, informaram fontes oficiais.
O incidente aconteceu depois que milhares de fiéis se amontoaram em frente ao edifício onde é velado o corpo de Syedna Mohammed Burhanuddin, que morreu ontem, para que seus seguidores pudessem prestar uma última homenagem.
A maioria das mortes ocorreu por asfixia, após as pessoas terem sido empurradas e esmagadas por outros presentes no velório.
Líder espiritual de uma popular comunidade islâmica de Bombaim, Syedna Mohammed Burhanuddin morreu na sexta-feira aos 102 anos.
Incidentes como esse são frequentes na Índia, principalmente durante celebrações religiosas, que reúnem multidões.
Mais de 100 pessoas morreram pisoteadas em outubro do ano passado durante um festival em homenagem à deusa hindu Durga no estado central de Madhya Pradesh, o incidente mais grave desse tipo registrado nos últimos meses no país.

Sobe para 22 o número de mortos em Itaoca

Sobe para 22 o número de mortos em Itaoca, no interior de São Paulo

Brasília - O número de mortos em razão das chuvas em Itaoca (SP) subiu para 22 pessoas. A informação foi confirmada hoje (18) pelo Major Walter Nyakas Júnior, diretor da Defesa Civil do estado. De acordo com ele, um dos mortos ainda não foi identificado, cinco pessoas seguem desaparecidas e uma hospitalizada. Até a noite de ontem (17), o balanço da Defesa Civil era 20 mortos.
Há ainda 34 moradores desabrigados que, segundo o Fundo Social de Itaoca, foram acomodados nas escolas Elias Lages de Magalhães e Cacilda Lages Pereira Cavani. Além disso, um total de 180 pessoas continuam desalojadas e hospedadas na casa de parentes. A prefeitura divulgou números das contas bancárias - Bradesco, agência 2027-3 e conta 1003321-7 - e da conta SOS Itaoca - Banco do Brasil, agência: 3637-4 e conta 100000-4 - a fim de quem queira fazer doações em dinheiro para os atingidos pelas chuvas no município paulista. Doações que não sejam financeiras devem ser tratadas com o Fundo Social pelo telefone (15) 3557 1143.
O prefeito Rafael Rodrigues de Camargo decretou estado de emergência na cidade desde o temporal ocorrido entre a noite do último domingo (12) e a madrugada de segunda-feira (13). Em razão da quantidade de chuva, o Rio Palmital transbordou e a enxurrada deixou o município parcialmente destruído. A Defesa Civil e as equipes do Corpo de Bombeiros, com cães farejadores, trabalham na busca pelos desaparecidos.

Shopping de luxo de SP fecha as portas após protesto em apoio a 'rolezinhos

Shopping de luxo de SP fecha as portas após protesto em apoio a 'rolezinhos'
SÃO PAULO - O Shopping JK Iguatemi, um dos mais luxuosos de São Paulo, fechou as portas neste sábado, às 13h45, para evitar que manifestantes entrassem no local. Em plena hora de almoço, seguranças não permitiam que ninguém entrasse ou saísse. O protesto, em apoio aos "rolezinhos", foi promovido pelo movimento social Uneafro. Havia cerca de 150 pessoas (veja vídeo abaixo).
Em coro, os manifestantes pediam para entrar no shopping, alegando se tratar de um direito constitucional. Eles disseram que entrariam sem bandeiras e sem tumulto. Como o JK manteve as portas fechadas, uma comissão de manifestantes seguia para o 96ºDP, no Itaim-Bibi, para registrar boletim de ocorrência por "constrangimento ilegal". "O shopping estava aberto antes de chegarmos. Só fecharam as portas porque viemos para cá. Isso é constrangimento ilegal. Quem está cometendo o crime são eles, não nós", afirmou o advogado Elizeu Soares Lopes, que representa as entidades que participam da manifestação.
Segundo a assessoria de imprensa do JK, o shopping decidiu fechar para "garantir a segurança de lojistas, funcionários e clientes". O funcionamento interno segue normal, segundo o centro de compras. Na sábado passado, o shopping havia conseguido liminar na Justiça para impedir encontro de jovens organizado pelas redes sociais.
Por volta das 15 horas, havia menos manifestantes na entrada do shopping porque vários manifestantes foram à delegacia registrar o boletim de ocorrência. Os presentes tocavam bateria para "segurar" o protesto.
As vendedoras da loja de roupas Farm Nicole Martins, de 18 anos, e Débora Carvalho, 23, chegaram ao Shopping JK Iguatemi para trabalhar, mas o encontraram fechado. As duas acreditam que haja racismo na decisão de fechar as portas.
Com os "rolezinhos" marcados para o fim de semana, os shoppings centers da capital reforçaram seus esquemas de segurança para impedir tumultos. A restrição de acesso a jovens da periferia que marcam grandes encontros em shopping foi alvo de polêmica durante a semana. Enquanto juristas se dividem sobre a legalidade em barrar a entrada de parte dos clientes, movimentos sociais acusaram os centros de compra de discriminação social e racial.
A assessoria de imprensa do Shopping Center Norte, na Vila Guilherme, zona norte de São Paulo, informou que a segurança foi reforçada para acompanhar a movimentação dos jovens, mas não haveria fechamento das lojas. A infraestrutura do local, segundo a assessoria, é suficiente para acomodar grande número de pessoas.
Na quinta-feira, a 4.º Vara Cível do Fórum Regional de Santana concedeu liminar favorável ao centro de compras contra os "rolezinhos". De acordo com a juíza Fernanda de Carvalho Queiroz, autora da decisão, a página de organização do evento no Facebook incitava "a prática de crimes e contravenções penais". O shopping informou que acionaria oficiais de Justiça apenas em casos de tumulto.
A Justiça de São Paulo também vetou na quinta-feira três "rolezinhos" programados pelas redes sociais nos shoppings Metrô Tatuapé e Metrô Boulevard Tatuapé, na Radial Leste, na zona leste. O primeiro estava marcado para ontem. Os próximos para os dias 26 de janeiro (sábado) e 22 de fevereiro (domingo). A assessoria de imprensa do complexo de compras informou que o funcionamento era normal e que a segurança foi orientada sobre o evento.
A liminar (decisão provisória) foi dada pelo juiz Luis Fernando Nardelli, da 3.ª Vara Cível do Fórum Regional de Tatuapé, na zona leste. "É de rigor estabelecer o limite e impedir a aglomeração de pessoas cujo objetivo precípuo é a realização de tumulto e vandalismo", disse, após ação movida pela empresa que controla os shoppings anexos à estação de metrô. Um oficial de Justiça foi designado para citar os manifestantes que realizarem qualquer tipo de tumulto no local que pertence ao Complexo Comercial do Tatuapé.