Web Radio Jesus Cristo Gospel: 2013-01-20

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

La Iglesia de Inglaterra autoriza la ordenación de obispos homosexuales

Día 05/01/2013 - 03.13h

La sexualidad reabre la brecha en el seno del anglicanismo entre liberales y conservadores

En pleno debate sobre la homosexualidad y el papel de la mujer en el Anglicanismo, la Iglesia de Inglaterra anuló ayer la prohibición impuesta a los sacerdotes homosexuales para que puedan ser ordenados obispos, siempre que prometan mantener el celibato.
El anuncio del cónclave permitirá que los clérigos gays, que actualmente mantienen uniones civiles, puedan ascender en la jerarquía interna de la institución religiosa y convertirse en obispos siempre que manifiesten su voluntad de mantenerse célibes.
La nueva normativa ha desatado las desavenencias de los anglicanos evangelistas conservadores, quienes combatirán con fuerza esa medida dentro del sínodo. Algunos miembros de la iglesia en Inglaterra señalaron que están dispuestos a traer obispos del extranjero antes que convivir con un obispo gay.

Una concesión

La decisión de permitir a hombres en uniones civiles ordenarse obispos representa una enorme concesión por parte de la institución anglicana, según valora la cadena pública británica BBC, debido a la tensión derivada del tema de la sexualidad dentro de la confesión mayoritaria en Inglaterra.
La Iglesia Anglicana se vio obligada a clarificar su posición sobre la ordenación de obispos homosexuales después de que Jeffrey John, sacerdote soltero y homosexual en pareja con otro religioso, fuera obligado a renunciar al arzobispado de Reading en 2003. Desde entonces, la brecha que separa a los «modernizadores» y «liberales» de los «evangélicos» y «conservadores» no hizo más que acrecentarse.

Gafcon, movimiento alternativo

El rechazo al nombramiento de homosexuales como obispos es especialmente notable en África, Asia y Australia, donde han nacido organizaciones paralelas que se oponen a la validación moral de la práctica homosexual, a la bendición del matrimonio gay y a otros «revisionismos» contrarios a las Sagradas Escrituras que se han extendido entre diversas comunidades anglicanas, sobre todo en Norteamérica. De hecho, en EE.UU. se ha activado un movimiento alternativo, Gafcon, a través del cual conservadoras provincias anglicanas de África y otros lugares han comenzado a funcionar de manera independiente a la oficial Comunión Anglicana, según informa la BBC.

Ordenación de mujeres

Dos meses después de la visita histórica a Gran Bretaña del Papa Benedicto XVI, en septiembre de 2010, tres obispos anglicanos anunciaron en noviembre del año pasado que se unían a la Iglesia católica para marcar su oposición a la ordenación de mujeres o a la bendición de las uniones homosexuales en la Iglesia de Inglaterra.
La Iglesia Anglicana es la Iglesia «madre» de la Comunión Anglicana que cuenta con unos 85 millones de fieles en todo el mundo. Si en el siglo XVI la oposición del el papa Clemente a acordar un divorcio a Enrique VIII provocara la ruptura de la Iglesia de Inglaterra con Roma, ahora el debate en torno a la homosexualidad se presenta como el nuevo cisma entre los anglicanos. 

Las uvas de la miseria


Una huelga de jornaleros en el campo sudafricano saca a la luz las duras condiciones en los viñedos de Sudáfrica, principal productores de vino del mundo y competidor de España

Las uvas de la miseria
HUMAN RIGHT WATCH

Jornadas interminables por menos de 7 euros al día; durmiendo en colchones tendidos en el suelo de galpones sin agua, electricidad ni retretes. Así viven gran parte de los jornaleros en los viñedos sudafricanos de la provincia de Cabo Occidental, en las fértiles laderas que rodean a la rica localidad de Ciudad del Cabo.
Sudáfrica, uno de los principales países productores del mundo, cuyas ventas mundiales aumentaron hasta un 20 por ciento el año pasado, y que compite directamente con España en el sector de los vinos a granel, hunde las raíces de sus viñas en la miseria de sus trabajadores.
En su informe «Maduradas con abuso», la organización Human Rights Watch (HRW) recoge las duras condiciones laborales en los viñedos sudafricanos, que reportan unos 2.600 millones de euros al año al producto interior bruto del país, según el Sistema de Información de la Industria del Vino de Sudáfrica.
Los trabajadores viven en cobertizos, cuartos de baño reconvertidos y hasta pocilgas, asegura HRW, en muchos casos sin acceso a servicios básicos, expuestos a pesticidas y productos nocivos durante sus horas de trabajo, las peores pagadas de toda la masa laboral sudafricana.
No tienen derecho sobre la tierra, y pese a que los granjeros no pueden expulsarles irregularmente, les cortan la luz o el agua para forzar a que abandonen la explotación cuando ya no son útiles.
Según la organización de defensa de derechos humanos, 930.000 trabajadores del campo sudafricano fueron desalojados de sus casas entre 1994 y 2004.
«La riqueza que estos trabajadores generan no puede basarse en la miseria humana», sentencia en su informe Daniel Bekele, director de HRW Africa.

Dos trabajadores muertos

Los jornaleros se embarcaron en una huelga el pasado mes de noviembre en demanda de un jornal de 150 rands, unos 13 euros, frente a los 79 rands (6,8 euros) que cobran hasta el momento.
Al menos dos trabajadores han muerto desde el inicio del conflicto, y otros 179 han sido detenidos en disturbios y enfrentamientos con la Policía tras la reanudación de la protesta el pasado miércoles tras el parón navideño.
Tony Ehrenreich, secretario provincial del Congreso de Sindicatos de Sudáfrica, COSATU, por sus siglas en inglés, llegó a reclamar un boicot internacional de los vinos y frutas del país porque se producen “en condiciones de esclavitud”.

Competencia desleal para España

Nuevos productores como Sudáfrica, Nueva Zelanda, Chile y Australia vienen beneficiándose de los bajos costes de producción para ganar mercado en uno de los sectores más globalizados de la economía mundial, asegura José Ugarrio, técnico del vino del sindicato español ASAJA.
«Están tirando el mercado abajo; es una competencia desleal, cuando te enfrentas a estos costes de mano de obra, sin los mismos controles de salud alimentaria o condiciones fitosanitarias», explica Ugarrio.
«Estamos hablando de una diferencia de costes producción en España de hasta un 600 por ciento, por defender un trabajo digno, con jornada de ocho horas, cotizaciones a la seguridad social y seguros agrarios», añade el técnico, que compara los 7 euros por jornal sudafricano frente a los 60 de media que debe desembolsar un bodeguero español. «Al final el mercado impone los precios, y solo nos salva la calidad».
Rafael del Rey, director general del Observatorio del Vino, coincide en la competencia de los nuevos países productores con los caldos españoles, especialmente en las ventas a granel y el envasado en cartón.
Del Rey, sin embargo, afirma que los costes laborales son un factor de competitividad, pero lo determinante es la capacidad de comercialización y la distribución en los mercados.
«No solo se compite por precio, sino por calidad. Los acuerdos arancelarios son cruciales. Países como Chile han logrado penetración en Rusia, Estados Unidos o Brasil, y Sudáfrica cuenta con facilidades en Holanda y los países de la Common Wealth».

Despido masivos

Los productores sudafricanos de vino, en su mayoría negocios de origen familiar, aseguran que doblar el salario de los trabajadores es «inviable sin una serie de implicaciones».
Pasar de 7 a 13 euros por jornal implica, básicamente, prescindir de la mitad de los trabajadores, advierte la patronal vitivinícola.
«El tiempo dirá; nosotros esperamos que no sea así. Podemos sacar algo bueno de lo malo», afirma Anton Rabe, responsable de asuntos laborales de la asociación de productores de Cabo Occidental, AGRISA. «Queremos que esto sea una oportunidad, de modernización del sector y de mejora de acceso a los mercados, pero no podemos hacerlo solos, requiere la intervención y el apoyo del Gobierno sudafricano».
Algunos productores han aceptado subidas del jornal, pero el conflicto está aun lejos de acabar en toda la provincia. La ministra de Trabajo de Sudáfrica, anunciará previsiblemente en febrero una propuesta salarial y un plan de futuro para el sector agrario.
Los sindicatos amenazan con continuar las protestas; las uvas sudafricanas, mientras tanto, comienzan a madurar bajo el sol del verano austral.

Robbie Williams comparte su mansión con la sexta mujer de Enrique VIII
Actualizado Miércoles, 09-09-09 a las 13:21
Haberse encontrado con un OVNI no es lo único extraño que le ha pasado a Robbie Williams. El cantante afirma que en su mansión de Inglaterra se le ha instalado el espíritu de Catherine Parr, sexta y última mujer del rey Enrique VIII. Aunque eso, añade, ni le asusta ni le quita el sueño.
No es la primera vez que Robbie Williams da muestras de su 'peculiar' carácter. A principios del año pasado el cantante decidió que apartaba durante un tiempo su trabajo en la música para dedicarse a la búsqueda de OVNI's -algo que hizo bajo el mar, por ejemplo- y en más de una ocasión ha relatado cómo fue su primer contacto con un extraterrestre.
Sin embargo, el cantante, que esta misma semana ha estrenado el single adelanto de su primer trabajo en los últimos tres años, no sólo se ha topado con seres de otro planeta. Según informaciones de The Sun recogidas por Europa Press, Robbie Williams está convencido de que la mansión que comparte con su novia, Ayda Field, está habitada por fantasmas.
Pero no un espíritu de ultratumba cualquiera. Una mansión de 7 millones de libras como la suya sólo puede poseer un fantasma de altura, como es el caso. Según Robbie, en su casa habita el fantasma de Catherine Parr, sexta y última mujer de Enrique VIII de Inglaterra, cuya aficción por el cambio de esposa provocó el cisma entre la Iglesia anglicana y la de Roma.
Y, aunque dice "sentir" frecuentemente la presencia del espíritu de la sexta mujer de Enrique VIII, Robbie no tiene miedo, como se esperaría de cualquier ufólogo experimentado. "Es la antigua casa de Catherine Parr. De hecho, actualmente no vivimos en su antigua casa, sino en su granero", aclara el cantante.
Williams y su novia se mudaron a principios de año a Reino Unido desde Los Angeles -donde Robbie se compró un equipo de fútbol para practicar su deporte favorito- para preparar el relanzamiento musical del cantante, cuyo último disco, Rudebox, suscitó más críticas que elogios por parte de sus seguidores.
En cualquier caso, no es extraño que Robbie perciba presencias paranormales en su casa, pues él mismo la eligió especialmente basándose, dijo en su momento, en unos mapas de líneas energéticas 
 
 

As Quentes da Noticias no Mundo

Vocalista da banda baiana Black Style, deixa o pagode e deve seguir carreira gospe

Vocalista da banda Black Style, deixa o pagode e deve seguir carreira gospelConfirmado: o cantor Robyssão, da banda Black Style, deixará o comando da banda em breve. O próprio cantor confirmou sua saída hoje à tarde, durante um programa ao vivo na televisão. O cantor cumprirá toda a agenda da banda e seu último show será no dia 26 de abril, na Micareta de Feira de Santana.
Os motivos pelos quais ele estaria deixando a Black Style não foram totalmente esclarecidos. “A Black é a banda que mais faz shows na Bahia e essa rotina de show atrás de shows começou a pesar demais para mim. Estou precisando descansar um pouco, respirar”, contou. Reforçando o boato de que deixaria o pagode para cantar música gospel, Robyssão disse: “”Na verdade eu recebi um recado do Senhor, que me disse que era para eu seguir e dar  início a uma carreira solo”. Ele ainda mencionou o cantor Pierre Onassis, que abandonou o axé para fazer carreira gospel.
O cantor ainda falou sobre quem seria seu substituto. “Não tem nada certo. Ainda é muito cedo para apontar nomes de possíveis substitutos”. Assumindo ou não, rumores dão conta de que o substituto seria o vocalista da banda New Hit, Dudu.  O Varela Notícias procurou a produção da banda New Hit e, em contato com Sacramento, que também é um dos sócios da banda Black Style, ele informou que ainda não há nada para dizer sobre essa possível substituição. Entretanto, ele afirma que possíveis substitutos para Robyssão já estão sendo sondados e que pode ser alguém de outro estado.


Deputado evangélico desiste de disputar a presidência da Câmara

Deputado evangélico desiste de disputar a presidência da Câmara
Na última segunda-feira (21) o deputado federal Ronaldo Fonseca (PR-DF) desistiu de disputar a presidência da Câmara por não ter apoio de seu partido. Fonseca que faz parte da Bancada Evangélica tinha acordo com outros parlamentares que tentariam se organizar para colocá-lo no posto.
Ao entregar a carta comunicando a desistência, o deputado anunciou que seu voto vai para Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), já que ele se identifica com as propostas de seu até então principal concorrente.
O PR já estava apoiando o deputado peemedebista, mesmo assim permitiu que Fonseca entrasse na disputa pela presidência da Câmara. “A minha decisão, entretanto, não se aproxima do sentido que orienta os atos de renúncia. Ela é, isto sim, resultado das reflexões de meu partido que, mesmo identificado com a sua candidatura, jamais desautorizou minhas pretensões”, disse Fonseca.
O deputado que é pastor de uma igreja Assembleia de Deus contava com apoio da bancada e também de dois deputados, Júlio Delgado (PSB-MG) e Rose de Freitas (PMDB-ES), que já haviam combinado uma estratégia para tentar eleger o representante do PR.
Leia a carta na íntegra:
“Caro Deputado Henrique Eduardo Alves,
No exato momento em que redijo este texto, a direção nacional de meu partido recebe a carta que oficializa a desistência de minha postulação ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados.
Na mesma correspondência discorro sobre as razões do gesto que anuncia o mais amplo e irrestrito apoio à sua candidatura, sempre inspirado na bandeira do restabelecimento da força institucional da Câmara Federal.
A minha decisão, entretanto, não se aproxima do sentido que orienta os atos de renúncia. Ela é, isto sim, resultado das reflexões de meu partido que, mesmo identificado com a sua candidatura, jamais desautorizou minhas pretensões.
Avesso à realização de um processo sucessório que se dá no recesso parlamentar, identifiquei em nosso diálogo as garantias necessárias ao respeito devido às propostas que defendi para o parlamento.
Convencido da virtude daqueles que sabem honrar seus compromissos partidários, coloco-me à disposição para cerrar fileiras na jornada eleitoral que escolherá a experiência política como critério para o comando de nossa Casa Legislativa.

Minissérie José do Egito custou R$ 22 milhões


Minissérie José do Egito custou R$ 22 milhões
A Rede Record gastou R$22 milhões para produzir a minissérie “José do Egito” que estreia no dia 30 de janeiro. Nesse valor estão inclusos os gastos com todas as etapas da produção, inclusive as viagens que a equipe da emissora fez para Israel, Egito e Chile onde algumas cenas foram gravadas.
Escrita por Vivian de Oliveira, a minissérie terá 26 capítulos que contarão toda a vida de José, desde quando ele era jovem e foi vendido como escravo até o momento em que se torna governado do Egito e reencontra seus familiares.
Para reproduzir esta história bíblica a Record convocou 40 atores entre eles Ângelo Paes Leme que vai interpretar José em sua fase adulta. Jacó será interpretado por Celso Frateschi, Leonardo Vieira viverá Faraó e no elenco ainda estão os atores Mylla Christie, Taumaturgo Ferreira, Larissa Maciel, Babi Xavier, Denise Del Vecchio, Bianca Rinaldi, Caio Junqueira, Samara Felippo, Gustavo Leão e Guilherme Winter.
Assim como as demais minisséries bíblicas, José do Egito movimentou diversos setores da emissora, o RecNov, no Rio de Janeiro, ganhou duas cidades cenográficas para reconstituir a história e seu cenário épico.
O deserto do Atacama, no Chile, serviu para registrar algumas passagens dos personagens já que a região se assemelha com os desertos do Oriente Médio.
A produção contou com equipamentos de última geração para captar as imagens como a câmera digital Arri-Alexa, a mesma usada na gravação do filme “Os Vingadores”. Com informações da Revista Isto É.

Líderes de várias religiões se unem em campanha contra a violência


Líderes de várias religiões se unem em campanha contra a violência
Em meio às repercussões do massacre na escola Sandy Hook, quando 20 crianças foram mortas, e as restrições na venda de armas à população, defendida pelo presidente Barak Obama, diversos líderes religiosos decidiram se unir.
Diferentes líderes evangélicos e de outras religiões formaram o grupo “Faith United Against Gun Violence” [Fé unida contra a violência armada]. Eles enviaram uma carta ao Congresso norte-americano, assinada por influentes líderes religiosos do país.
Os 47 signatários evangélicos, católicos, judeus, muçulmanos e hindus, exigiram medidas concretas para acabar com a violência facilitada pela venda de armas ao cidadão comum.
O documento ressalta que “não é possível perder mais tempo” para se lidar com esse problema e que existe uma necessidade, não apenas social, mas também espiritual de se rever a legislação vigente.
Para eles, a fé pode servir como um elemento de transformação social, já que as religiões ensinam a paz entre os homens.
Jim Wallis, fundador do conhecido movimento evangélico “Sojourners”, acredita estar errada a justificativa de que “a única coisa que pode impedir uma pessoa má com uma arma é uma boa pessoa com outra arma.” Ele enfatiza que esta é uma posição “moralmente errada, teologicamente perigosa e religiosamente repugnante. Afinal, a Bíblia ensina que o mundo está cheio de pessoas boas e ruins e também que o bem e o mal estão em todos nós. ”
Na carta aberta, os líderes religiosos fazem propostas concretas para reduzir a violência, como a introdução de um controle mais rigoroso para a compra de uma arma, a proibição da venda de armas de “alto impacto” e penalidades maiores para o tráfico de armas.
Eles ressaltam que “esses atos de violência com armas de fogo estão fazendo a nossa sociedade pagar um preço inaceitável, com os massacres e mortes sem sentido que vemos todos os dias. Rogamos a Deus pelas famílias e amigos das vítimas, e devemos reforçar nossas orações com ações. Devemos fazer todo o possível para manter as armas longe das pessoas, pois podem prejudicar elas mesmas e aos outros. ” com informações gospel prime.


Cristão é acusado de furtar cadáver do pai para ressuscitá-lo com orações

Cristão é acusado de furtar cadáver do pai para ressuscitá-lo com orações
Vincent Bright, 48 anos, é um cristão fervoroso. Mas agora precisará fazer um exame para comprovar sua sanidade mental. O motivo é que ele foi acusado de roubar o cadáver do próprio pai e tentar ressuscitá-lo com orações.
Ele foi preso em Detroit, Estado de Michigan, depois que outros familiares ligaram para a policia para denunciar o roubo do corpo de Clarence Bright, falecido aos 93.
Vincent colocou o os restos mortais de Clarence  em um freezer no porão de sua casa. Quando a policia chegou, disse que esperava ver o pai ressuscitar, explicou o tenente Harold Rochon.
Ele foi preso e o juiz estabeleceu sua fiança em US $ 75.000. Se for condenado, pode pegar 10 anos de prisão, a menos que fique confirmada sua incapacidade mental.
“É um caso raro. Não se vê isso todo o dia”, explicou o advogado de defesa Gerald J. Karafa, ao jornal The Detroit News.
O corpo de Clarence desapareceu do cemitério Gethsemane poucas horas antes do horário marcado para o enterro. A polícia também interrogou o homem que teria ajudado Vicente, e encontrou um caixão vazio em sua van. Mesmo assim, ele não foi preso, pois não havia provas suficientes. Com informações G1 e Huffington Post.


Cristãos são proibidos de ler a Bíblia, cantar louvores a Deus e orar

Cristãos são proibidos de ler a Bíblia, cantar louvores a Deus e orar
A tão divulgada “Liberdade Religiosa” em alguns países apesar de te-la em sua constituição não é respeitada, como no caso de diversos países, principalmente os que fazem parte do Oriente Médio. No Uzbequistão para se ler a Bíblia, orar e cantar louvores a Deus só com permissão e em locais determinados.
A polícia do Uzbequistão invadiu o local onde encontrava-se um grupo de 80 cristãos que estavam de férias no resort de Simurgh (Phoenix) Bostanlyk Distrito da Região Tashkent.
A abordagem foi feita com pelo menos de seis diferentes seções do Código de Ofensas Administrativas que foram apresentadas contra quatro pessoas que estavam no grupo que se reuniram para falar sobre a sua fé e cantar músicas cristãs. Durante a invasão, três Bíblias e 100 livros foram confiscados músicas cristãs.
Testemunhas disseram que a polícia na abordagem “insultava os crentes com palavras abusivas … e os ameaçava que eles poderiam apresentar acusações criminais contra os crentes, a menos que eles escrevessem declarações” e tomaram as impressões digitais de todos os presentes.
Quando perguntado por que as autoridades estavam punindo essas pessoas cujo único “crime” foi o de ler a Bíblia e cantar músicas cristãs durante um feriado, um representante da polícia disse que as pessoas “devem fazê-lo apenas em lugares autorizados e especificamente criados para fins religiosos “.
Os oficiais se recusaram a comentar mais sobre o porque a polícia estava violando o direito à liberdade de religião ou crença.”Eu não estou autorizado a fazer mais comentários”, disse ele.
Todos estes livros, incluindo Bíblias, foram ordenados a ser destruído.
No Uzbequistão os cristãos estão sendo oprimidos e não se permite exercer a liberdade de religião ou crença, para se ler a Bíblia ou orar deve ter a permissão do Estado, uma situação humilhante que se não
respeitada por levar a prisão e a té pode acontecer algo mais drástico.







Comissão dos EUA exige libertação imediata do pastor iraniano Saeed Abedini


A
Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) se uniu às solicitações para a libertação de pastor americano Saeed Abedini, que está programado para ser julgado e, possivelmente, enfrentará a pena de morte no Irã na próxima semana.
Comissão dos EUA exige libertação imediata do pastor iraniano Saeed Abedini“As acusações feitas contra a segurança nacional do Sr. Abedini são falsas e são uma tática típica do governo iraniano para mascarar o verdadeiro motivo para as acusações: de suprimir a crença religiosa e a atividade de que o governo iraniano não aprova. O USCIRF insta o governo iraniano a libertar o Sr. Abedini imediata e incondicionalmente”, escreveu Katrina Swett Lantos, a presidente da comissão criada pelo Congresso.
Cidadão dos EUA, de 32 anos, que nasceu no Irã, mas se converteu ao Cristianismo, com a idade de 20, depois se casar com sua esposa americana Nagmeh, o pastor Abedini tem sido alvo por parte das autoridades iranianas por ajudar igrejas clandestinas no Irã e por seu trabalho de caridade estabelecendo orfanatos. Ele foi advertido e detido por autoridades iranianas antes por seu trabalho, mas foi preso em julho de 2011, quando as autoridades mais uma vez o apreenderam, durante uma de suas viagens da América para o Irã. Ele está atualmente detido na prisão de Evin, em Teerã.
Seu advogado recebeu o arquivo de tribunal no início desta semana, que revelou que o pastor dos EUA está pronto para ser julgado o mais cedo na segunda-feira, 21 janeiro – dando a seu advogado muito pouco tempo para se preparar para o que muitos estão chamando de julgamento “fantoche”. Abedini expressou os temores que ele poderia receber a pena de morte depois que foi revelado que o seu caso foi transferido para um “juiz de enforcamento” notório que a União Europeia tem nomeado como um indivíduo sujeito a sanções por violações de direitos humanos por condenar um número de ativistas de direitos humanos à morte.
A acusação que as autoridades fizeram contra Abedini aparentemente remete a 2000, quando o pastor se converteu ao Cristianismo, e alega que ele “pôs em perigo” a segurança nacional do Irão. O Centro Americano de Lei e Justiça, que está representando a esposa e dois filhos que estão nos EUA, disse que era “uma acusação típica trazida pelo regime radical islâmico contra os que deseja perseguir por suas crenças religiosas. Seu arquivo do tribunal indicou que esta acusação de segurança nacional foi diretamente relacionada ao seu trabalho a partir de um movimento de igrejas domésticas no Irã”.
“O juiz Pir-Abbassi é notório por conduzir de julgamentos rápidos e impondo longas penas de prisão, bem como a pena de morte, sem qualquer aparência de processo legal,” Swett acrescentou na declaração do USCIRF, referindo-se ao “juiz do enforcamento” em questão.
ACLJ ainda lembrou os cidadãos preocupados que apesar do presidente Barack Obama e o resto dos EUA terem marcado o Dia Nacional da Liberdade Religiosa em 16 de janeiro, os pastores como Abedini e muitas outras pessoas de fé permanecem presos com base em acusações duvidosas, e o Departamento de Estado tem de intervir e fazer todo o possível para ajudá-los em seu sofrimento.
“Hoje, nós também lembramos que a liberdade religiosa não é apenas um direito americano, é um direito humano universal a ser protegido aqui em casa e em todo o mundo. Esta liberdade é uma parte essencial da dignidade humana, e sem ela o nosso mundo não pode conhecer uma paz duradoura”, escreveu Obama em um comunicado em 16 de janeiro.
O ACLJ diz que mais de 100.000 pessoas assinaram uma petição para o Congresso dos EUA pedindo para Hillary Clinton, secretária de Estado, se pronunciar pessoalmente pela libertação do Pastor Abedini.


Comissão dos EUA exige libertação imediata do pastor iraniano Saeed AbediniA Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) se uniu às solicitações para a libertação de pastor americano Saeed Abedini, que está programado para ser julgado e, possivelmente, enfrentará a pena de morte no Irã na próxima semana.
“As acusações feitas contra a segurança nacional do Sr. Abedini são falsas e são uma tática típica do governo iraniano para mascarar o verdadeiro motivo para as acusações: de suprimir a crença religiosa e a atividade de que o governo iraniano não aprova. O USCIRF insta o governo iraniano a libertar o Sr. Abedini imediata e incondicionalmente”, escreveu Katrina Swett Lantos, a presidente da comissão criada pelo Congresso.
Cidadão dos EUA, de 32 anos, que nasceu no Irã, mas se converteu ao Cristianismo, com a idade de 20, depois se casar com sua esposa americana Nagmeh, o pastor Abedini tem sido alvo por parte das autoridades iranianas por ajudar igrejas clandestinas no Irã e por seu trabalho de caridade estabelecendo orfanatos. Ele foi advertido e detido por autoridades iranianas antes por seu trabalho, mas foi preso em julho de 2011, quando as autoridades mais uma vez o apreenderam, durante uma de suas viagens da América para o Irã. Ele está atualmente detido na prisão de Evin, em Teerã.
Seu advogado recebeu o arquivo de tribunal no início desta semana, que revelou que o pastor dos EUA está pronto para ser julgado o mais cedo na segunda-feira, 21 janeiro – dando a seu advogado muito pouco tempo para se preparar para o que muitos estão chamando de julgamento “fantoche”. Abedini expressou os temores que ele poderia receber a pena de morte depois que foi revelado que o seu caso foi transferido para um “juiz de enforcamento” notório que a União Europeia tem nomeado como um indivíduo sujeito a sanções por violações de direitos humanos por condenar um número de ativistas de direitos humanos à morte.
A acusação que as autoridades fizeram contra Abedini aparentemente remete a 2000, quando o pastor se converteu ao Cristianismo, e alega que ele “pôs em perigo” a segurança nacional do Irão. O Centro Americano de Lei e Justiça, que está representando a esposa e dois filhos que estão nos EUA, disse que era “uma acusação típica trazida pelo regime radical islâmico contra os que deseja perseguir por suas crenças religiosas. Seu arquivo do tribunal indicou que esta acusação de segurança nacional foi diretamente relacionada ao seu trabalho a partir de um movimento de igrejas domésticas no Irã”.
“O juiz Pir-Abbassi é notório por conduzir de julgamentos rápidos e impondo longas penas de prisão, bem como a pena de morte, sem qualquer aparência de processo legal,” Swett acrescentou na declaração do USCIRF, referindo-se ao “juiz do enforcamento” em questão.
ACLJ ainda lembrou os cidadãos preocupados que apesar do presidente Barack Obama e o resto dos EUA terem marcado o Dia Nacional da Liberdade Religiosa em 16 de janeiro, os pastores como Abedini e muitas outras pessoas de fé permanecem presos com base em acusações duvidosas, e o Departamento de Estado tem de intervir e fazer todo o possível para ajudá-los em seu sofrimento.
“Hoje, nós também lembramos que a liberdade religiosa não é apenas um direito americano, é um direito humano universal a ser protegido aqui em casa e em todo o mundo. Esta liberdade é uma parte essencial da dignidade humana, e sem ela o nosso mundo não pode conhecer uma paz duradoura”, escreveu Obama em um comunicado em 16 de janeiro.
O ACLJ diz que mais de 100.000 pessoas assinaram uma petição para o Congresso dos EUA pedindo para Hillary Clinton, secretária de Estado, se pronunciar pessoalmente pela libertação do Pastor Abedini.

Noticias Internacional e Nacional

Ignacio Camacho, premio Bravo de Prensa de la Conferencia Episcopal


Cáritas también ha sido reconocida por estos galardones, destacando su «comunicación del Evangelio por medio de la acción»

Cáritas y el periodista de ABC Ignacio Camacho han sido galardonados con el premio Bravo de la Comisión de Medios de Comunicación Social de la Conferencia Episcopal. Este reconocimiento premia «la labor meritoria en los diversos medios de aquellos profesionales que se distinguen en el servicio a la dignidad del hombre, los derechos humanos y los valores evangélicos», explican desde la Conferencia Episcopal.
La entrega fue una alabanza continua -incluso de los demás premiados- de la labor de Cáritas en España. Así, destacaron especialmente su labor «por la comunicación del Evangelio por medio de la acción». Su labor fundamental, «recogida en su nombre y expresada de forma sobresaliente en su actividad diaria, no es sólo una virtud fundamental, sino el signo distintivo de la vida cristiana».
Para Ignacio Camacho no faltaron tampoco razones: «En él coincide la aguda percepción de la realidad que facilita unos análisis serios y solventes de la sociedad, el enfoque positivo y propositivo, alejado de críticas sistemáticas y frentismos políticos, y una manera de escribir que entreteje argumentos, imágenes y juegos de palabras que ayudan al lector a configurar su pensamiento con libertad y talento». Y concluyen: «Su columna diaria en ABC lleva camino de constituirse en un punto de referencia del periodismo español de nuestro tiempo».
Además de Cáritas e Ignacio Camacho, los premiados este año han sido: Javi Nieves (premio Bravo de Radio), Jordi Hurtado (premio Bravo de Televisión), Maktub (premio Bravo de Cine), Pablo Colino y Valentí Miserach, maestros de capilla de las basílicas papales de San Pedro y Santa María la Mayor, en Roma (premio Bravo de Música), CEU Media (premio de nuevas Tecnologías), Programa religioso de COPE Teruel, realizado por jóvenes y adolescentes (premio Bravo al trabajo diocesano en medios de 

20022003200420052006200720082009201020112012
Últimas noticias
Internacional
Reescribir la cultura a golpe de interés propio. Grupos evangélicos estadounidenses se han embarcado en el continente africano en una campaña encaminada a fomentar ataques contra el colectivo homosexual, según una investigación realizada por el
Multimedia

Dimite tras ser sorprendida conduciendo ebria la presidenta del Consejo Evangélico alemán

La presidenta del Consejo de la Iglesia Evangélica en Alemania y obispa de Hannover, Margot Käßmann,ha dimitido este miércoles de sus cargos después de ser sorprendida el sábado de madrugada tras


Käßmann, en una imagen de enero de 2008 / AP
Käßmann, en una imagen de enero de 2008 / AP
La presidenta del Consejo de la Iglesia Evangélica en Alemania y obispa de Hannover, Margot Käßmann,ha dimitido este miércoles de sus cargos después de ser sorprendida el sábado de madrugada tras saltarse un semáforo cuando conducía en estado de embriaguez.
«Cometí un grave error, que lamento, y dañé con ello mi cargo y la autoridad inherente a éste», dijo en una declaración pública Käßmann, de 51 años y primera mujer a la cabeza, desde el pasado mes de octubre, de la Iglesia Evangélica Alemana, mayoritaria en ese país con 25 millones de feligreses.
Käßmann fue interceptada por la policía después de que se saltara un semáforo rojo con su vehículo oficial en Hannover. Tenía unos niveles de 1,54 miligramos de alcohol, cifra que triplica lo autorizado en Alemania.




Igrejas Evangélica no MS são maiores incentivadoras para regularizar casamentos


A busca por regularizar a união estável em casamento aumentou no MS, isso é decorrente a orientação que as religiões que tem com base de regra e fé a Bíblia, e seguindo os preceitos da Palavra tem incentivado os casais a regularizar suas situações perante Deus e a Justiça.
A religião tem sido a principal incentivadora das conversões de união estável em casamento. Isso pode ser constatado nos ônibus da Justiça Itinerante, que diariamente recebe dezenas de pedidos de casamento, em sua grande maioria por orientação de igrejas evangélicas, que colocam a regularização da situação conjugal como uma de suas práticas.
O Relatório Anual de Atendimento de 2012 identificou o bairro Piratininga com o maior número de atendimento, tendo registrado 6.609 ações. Em segundo lugar está o São Conrado, com 5.373; e em terceiro ficou o Coronel Antonino, com 2.703 atendimentos.
Entre os tipos de ações, a que mais aparece no relatório da Justiça Itinerante é a conversão de união estável em casamento, com 4.677 procedimentos, número 39,6% superior ao que aparece em segundo lugar, o divórcio direto, que registrou 1.807 casos.
A Justiça Itinerante é um serviço que atrai a população campo-grandense pela facilidade e rapidez no atendimento, além de não gerar nenhum custo à população. com informação Correio do Estado


 

Dois norte-coreanos são mortos por crerem em Jesus Cristo

Dois norte-coreanos são mortos por crerem em Jesus CristoO Portas Abertas dos EUA confirmou a morte de dois cristãos, revelando que um foi baleado enquanto ia a um ‘treinamento’ da Bíblia na China, e que outro morreu em um campo de trabalho na Coreia do Norte.
“Ele estava muito animado com a sua nova fé e queria compartilhar o Evangelho com sua família”, disse um trabalhador não identificado do Portas Abertas, em um comunicado. “Ele queria voltar para a China para estudar mais a Bíblia para que pudesse explicar a fé cristã melhor a sua família. É de partir o coração a sua morte e eu não consigo parar de pensar: ‘Se ele tivesse chegado um pouco mais tarde no rio de fronteira, o guarda não o teria visto e atirado nele. Ele ainda poderia estar vivo hoje”.
O outro cristão que foi morto também, aparentemente, fez cursos de Bíblia na China, mas voltou para a Coreia do Norte oito meses depois.
O Portas Abertas disse que ele era um cristão dedicado e fiel, o que é uma ofensa criminal na Coreia do Norte, passível de prisão e até mesmo de morte. Quando as autoridades descobriram sobre sua fé, eles o enviaram a uma prisão em um campo de trabalho forçado.
“Acabamos de receber a informação de que ele estava morto”, disse o Portas Abertas. “Ele foi terrivelmente torturado por causa de sua fé. Ele também foi forçado a fazer trabalho pesado, sem receber qualquer alimento. Antes de seu retorno à Coreia do Norte, ele foi batizado e se dispôs a enfrentar todas as dificuldades por isso. Nós nunca dizemos às pessoas para voltarem à Coreia do Norte, mas ele estava feliz. Estamos devastados ao ouvir sobre esses assassinatos. Sabemos que cristãos morrem por sua fé quase todos os dias naquele país, mas ainda é difícil lidar com isso”.
O grupo de vigilância divulgou que a Coreia do Norte foi a número um na lista dos países que mais oprimem e preseguem cristãos no mundo, por 11 anos consecutivos.
“Em nenhum outro lugar do mundo a perseguição de cristãos é tão intensa. Mesmo a posse de uma Bíblia é suficiente para ser morto ou enviado para um campo de trabalho forçado por toda a vida”, disse o Portas Abertas. A organização acrescentou que entre 200 mil e 400 mil cristãos podem estar vivendo na Coreia do Norte, mas os números oficiais são difíceis de informar, já que a profissão de fé deve ser mantida em segredo. Desses crentes, acredita-se que de 50 mil a 70 mil estão vivendo em campos de concentração, onde alguns enfrentarão uma morte cruel.
“Não há qualquer liberdade religiosa na Coreia do Norte. As pessoas são simplesmente mortas se eles acreditam em Jesus”, informou um refugiado norte-coreano, cujo nome não foi divulgado por razões de segurança, à Portas Abertas. “Kim Jong-Un é um deus e não pode haver qualquer deus além dele”. O Portas Abertas também revelou que existem serviços de igreja na Coreia do Norte, mas só quando os estrangeiros estão presentes, porém não há liberdade de religião, fala ou imprensa no país.
Em dezembro, um cidadão dos EUA ligado a um grupo protestante foi preso na Coreia do Norte. Detalhes de seu caso são vagos, mas fontes disseram que as autoridades encontraram em sua posse um computador com “informações delicadas” sobre a Coreia do Norte. As informações em questão supostamente se referem a fotos de órfãos e as lutas que população enfrenta, fatos que o governo norte-coreano não quer que sejam revelados. Com informações TCP e Portas Abertas.



Mais de 200 mil muçulmanos se converteram a Cristo


Para quem nasce em um país muçulmano não é fácil deixar o Islã. Muitas vezes isso significa colocar em risco a própria liberdade e até mesmo a vida.
Mas segundo Jerry Trousdale, diretor do ministério City Team International. Milhares de pessoas estão fazendo isso. Após anos coletando dados e testemunhos ele decidiu escrever um novo livro “Miraculous Movements: How Hundreds of Thousands of Muslims Are Falling in Love With Jesus” [Movimentos milagrosos: Como centenas de milhares de muçulmanos conheceram o amor de Jesus].
Jerry afirma que nada menos que 200.000 muçulmanos foram convertidos ao cristianismo apenas nos últimos seis anos. Isso inclui desde fiéis comuns até sheiks e imãs, líderes religiosos muçulmanos.
“Há uma insatisfação e desânimo crescentes entre as pessoas que conhecem o Alcorão e por isso estão desesperados pela segurança de vida eterna”, diz Trousdale.
A missão que ele trabalha atua em 42 países ao redor do mundo. Desde 1998, a organização cuidou de obreiros oferecendo treinamento, orientação e capacitando os líderes locais a cuidar dos necessitados nas comunidades onde vivem. Isso inclui contabilizar 600.000 novos cristãos, que na última década deram inicio a mais de 18.000 novas igrejas, principalmente no continente africano.
“Estamos oferecendo a eles um pensamento novo sobre a natureza da igreja”, diz Trousdale. “O modelo dessas igrejas que estão surgindo é muito diferente das igrejas tradicionais. Esses movimentos de formação de discípulos estão alcançando nações inteiras ao redor do mundo. É incrivelmente animador ser parte de ver a vida das pessoas sendo radicalmente alteradas pelo evangelho”.
“Este livro fala sobre essas pessoas, e essas histórias que são verdadeiros milagres!”, comenta Chip Ingram, pastor sênior da Igreja Cristã em Ventura. “Há um movimento para a mudança de paradigma. Deus quer que toda e qualquer pessoa empenhada em fazer discípulos possa aplicar isso.”
Trousdale diz que viu mesquitas inteiras se convertendo ao cristianismo. Ele conta diferentes histórias, como a de dois discipuladores que se recusaram a desistir de uma cidade, após verem cinco cristãos serem mortos ali. Sete anos depois, havia sete igrejas naquela cidade.
Além dos testemunhos pessoais, muitos muçulmanos tem conhecido a Jesus através de sonhos e visões, mas na maioria das vezes não podem falar muito sobre o assunto em público por causa das perseguições.



Missionários evangélicos coreanos passa de 20.000 no mundo


Líderes evangélicos de os EUA e da Coreia celebra um marco no movimento missionário coreano que ultrapassou um total de 20.000 missionários em todo o mundo. A Conferência que é realizada de 4 em 4 anos, este ano teve este motivo especial uma marca histórica para os evangélicos coreanos.-
Com mais de 5.000 participantes, incluindo 2.500 missionários coreanos de 169 países, que vieram participar da Conferência Mundial de Missões da Coreia 2012 , realizada 23-27 julho no Wheaton College, em Chicago.
O maior encontro de missionários coreanos de todo o mundo, se reuniu para comemorar em Chicago/EUA esta semana esta marca histórica de mais de 20 mil missionários no mundo e que apresenta o mais rápido crescimento de movimento missionário já registrado. O número de missionários coreanos em 169 países tem mais do que dobrando em 10 anos. A este ritmo de crescimento, a Coreia deve superar os Estados Unidos que até hoje figura como o principal país em envio de missionário no mundo até 2020.
John Piper, da Igreja Batista Bethlehem pregou a Palavra; Loren Cunningham, co-fundador de Jovens Com Uma Missão, Doug Birdsall, presidente executivo do Movimento Lausanne, e Loni Arnold, diretor executivo do Centro de Billy Graham estava entre os líderes evangélicos americanos que falaram durante a conferência de 23 de julho de julho a 27 realizada no Wheaton College Billy Graham Center, em Wheaton, Illinois.
“Há um grande chamado por Deus para as igrejas coreanas”, disse Piper durante a ministração de abertura da conferência. “Deus tem dado grande benção para as igrejas coreanas em todo o mundo. Onde há grande benção, uma enorme responsabilidade vem a seguir.”
Mais de 5.000 pessoas – metade delas missionários – participou da 7ª Conferência Missionária Mundial Coreana , que analisou a evolução das missões no passado e as tendências de missão para os próximos 10 anos. A conferência de missões, que é realizada a cada quatro anos no Wheaton College Billy Graham Center desde 1988, teve o apoio das três maiores organizações missionárias da Coreia – Conselho Mundial das Missões da Coreia para Cristo, Associação Mundial das Missões Coreanas, e Sociedade Coreana de Missões Mundiais.
O movimento missionário coreano remonta desde o final dos anos 70, mas o seu  rápido crescimento se deu a partir de 1990 quando 1.000 missionários coreanos foram mandados para o exterior. Hoje, existem cerca de 25.000 missionários coreanos ao redor do mundo, indicando um aumento percentual de 2.500, em missionários coreanos nas últimas duas décadas.
A oração pode ser um dos fatores que poderiam explicar o impressionante crescimento no movimento missionário coreano no mundo.- disse o palestrante Seuk-Hee Goh, secretário-geral do Conselho Mundial das Missões da Coreia para Cristo e um dos membros fundadores da Conferência Mundial das Missões Coreana.
A maior ameaça para as missões cristãs mundiais hoje é o crescimento do Islã no mundo, de acordo com Doug Birdsall.  No dia 24 de julho, Doug deu uma palestra sobre as cinco coisas mais importantes que os cristãos modernos deveriam se preocupar, e listou o Islã no topo.
Ele disse que o Islã está prosperando economicamente e se expandindo fazendo missões com o objetivo de criar mesquitas em todo o mundo.Ele descreveu o Islã como uma religião que não confessa a Jesus como Senhor.
“Há duas religiões que se concentram em missões: o cristianismo e o Islã”, disse Birdsall. Uma delas é uma religião que ensina a amar os inimigos, e outra é uma religião sem o perdão, disse ele.
Loren Cunningham, co-fundador da JOCUM, exortou os cristãos sul-coreanos para não hesitar em enviar Bíblias à Coréia do Norte. A Bíblia é a forma que se tem para transformar uma nação comunista, pois ensina a amar o próximo e é só assim que haverá mudança.
NOTA: Motivo de nos alegrar-mos no Senhor, pois o amor a Cristo está sendo propagado pelo mundo e o Nome de Jesus se tornando conhecido. Existe muitos que estão preparando a volta de Jesus. Todas as vezes que o Espírito Santo te fazer lembrar ore por um e depois por todos os missionários espalhados por esta tão grande seara. Amém…



Feiticeiro que matou mais de 20.000 pessoas converte-se a Cristo



Joshua Milton Blahyi já foi considerado um dos homens mais temidos na guerra na Libéria. Ele confessou ter matado cerca de 20.000 pessoas durante 14 anos de guerra civil naquele país.
Mas hoje Joshua Blahyi afirma ser uma nova pessoa. É um cristão evangélico que está arrependido de seus pecados e desde que confessou Jesus como seu Salvador tem se dedicado a evangelizar sua nação e pediu perdão às pessoas que machucou.
Em uma entrevista ao jornal Daily Mail, em 2010, Blahyi disse: “Acredito firmemente que a Bíblia diz que Deus já me perdoou”, Mesmo assim, está disposto a ser julgado em Haia e possivelmente enforcado por seus crimes de guerra.
Recentemente, o pastor Blahyi foi selecionado pela revista The Economist e o canal de TV  PBS para contar sua história em um documentário intitulado “The Redemption of General Butt Naked” [A Redenção do General Pelado].
Os cineastas Eric Strauss e Daniele Anastasion passaram quase cinco anos com Blahyi, seguindo de perto sua busca pelo perdão de seus ex-soldados e parentes de suas vítimas.
Strauss tornou-se interessado na biografia de Blahyi depois de ler sobre ele em um livro: “Era  uma pequena história sobre um líder famoso que matou milhares e agora andava pelas ruas pregando a verdade e a reconciliação. Eu me perguntava se uma pessoa assim realmente existia.  Seria possível esse “Extreme Makeover? “, explicou o cineasta ao Los Angeles Times.
Oferecendo uma resposta às suas próprias perguntas através desse documentário, o filme enfatiza a fé e o perdão.
“Somente o cristianismo pode ajudar esta nação, porque o cristianismo é a única crença verdadeira. A única fé que lhe diz para amar os seus inimigos, aceitar e perdoar aqueles que te machucam”, explica Blahyi em um trecho do filme. “Quem vocês estão vendo aqui foi um rebelde conhecido. Só quem pode desarmar é o amor. Só Deus pode mudar sua vida”.
Antes de sua conversão, Blahyi, praticava magia negra e o foi conselheiro espiritual do falecido presidente da Libéria, Samuel K. Doe.
Aos 11 anos, foi iniciado como feiticeiro tribal e participou de seu primeiro sacrifício humano, que realizou mensalmente até os 25. Mais tarde ele foi nomeado o bruxo de sua aldeia onde afirma que reunia-se regularmente com Satanás.
Ele recebeu o apelido de “General Pelado” porque sempre ia para as batalhas usando apenas sapatos e empunhando uma arma. Ele acreditava que sua nudez impediria as balas de matá-lo.
O General afirma ter matado muitas crianças que ofereceu para Satanás. Ele tomou o sangue e comia o coração de suas vítimas antes de ir para uma batalha. Por isso todos em seu país ainda o temem, apesar de sua conversão.
Blahyi explica que em 1996 teve um encontro dramático com Jesus, durante uma das batalhas mais brutais na história da guerra na Libéria. Para muitos, seu relato é semelhante à conversão do apóstolo Paulo na estrada de Damasco.
O pastor conta que Jesus apareceu diante dele como uma luz ofuscante e disse que ele iria morrer se não se arrependerem de seus pecados. “A tradição fez-me acreditar que ao me tornar guerreiro tinha que fazer sacrifícios antes de ir para a batalha. Mas Deus me apareceu quando eu estava nu, no meio da batalha, e disse que eu estava a fazer o trabalho de Satanás”.
Depois disso, aceitou a Cristo e pediu perdão pelos seus pecados. Abandonou o exército e passou a defender a paz e combater a violência. Desde então, muitos creram no seu arrependimento e transformação, mas outros acreditam que ele está mentindo.
Ele é presidente e fundador do Ministério Evangelístico Trem do Fim dos Tempos, no país vizinho de Gana. É casado com a pastora Josie e têm três filhos: Michaela, Joshua Jr e Janice.  Fundado em 1999, seu ministério atua em áreas remotas da África, incluindo Togo, Benin, Nigéria, Chade, Guiné e Libéria, sua terra natal.
O filme sobre sua vida vai ao ar dia 22 de janeiro de 2012 no Documentary Channel. A Comissão para Verdade e Reconciliação foi estabelecida no seu país natal para definir quem deveria ser julgado por crimes de guerra.  O pastor Blahyi foi indiciado e disse que está disposto a ser julgado por crimes de guerra por um tribunal em Haia.
Depois de admitir à Comissão que seu grupo foi responsável pela morte de 20 mil pessoas, Blahyi disse esperar que sua confissão ajude a curar as feridas de seu país. Afirmou ainda que está preparado para qualquer decisão da Comissão. “Se for condenado, posso ser eletrocutado ou enforcado, mas acredito que o perdão e a reconciliação sejam os melhores caminhos a seguir.”






Pastor de mega igreja alerta: “A marca da besta, está se mostrando ao mundo”


Pastor de mega igreja alerta A marca da besta, está se mostrando ao mundo

Greg Laurie, pastor da Harvest Church em Riverside, Califónria, uma das maiores igreja dos Estados Unidos, vem pregando uma seria de mensagens sob o título “Apocalipse: A Próxima Dimensão”.
Em uma ocasião ele falou sobre “a marca da besta que está mostrando ao mundo e já esta se movendo em direção ao cumprimento da profecia”.
“Nunca estivemos tão perto do fim do mundo como neste momento”, disse Laurie. “No entanto, é importante saber que a Bíblia também fala de um novo começo onde não haverá nenhuma perversão, nem terrorismo, nem guerras, nem fome… não haverá qualquer problema”. Em Isaías 11:9 diz o pastor que “o conhecimento do Senhor enchera a terra”. No entanto, “vai piorar antes de melhorar”, disse o pastor.
Apocalipse 13 fala sobre os tempos de escuridão espiritual, o período da tribulação, ele continuou dizendo que o “Filho de satanás entrará em cena, o homem da perdição, o homem do pecado, a besta… mas conhecida como o anticristo…. o homem mais malvado que já viveu…. a mais vil encarnação da história do pecado e da rebelião”.
Laurie, citou Apocalipse 13:15-18 “E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.  E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.”.

Se você buscar no Google o número 666, receberá 543 milhões de resultados, disse o pastor.“E provavelmente você encontrará 543 milhões de buscas sobre o 666 e é possível que signifique alguma coisa, porque o anticristo vai introduzir uma sociedade sem dinheiro…. O final disto levara as pessoas a participarem da adoração ao diabo”.
O pastor Laurie, explicou que a tecnologia permitira que isto aconteça. Ele citou Mark Hitchcock, um escritor que fala do tema da profecia, que a palavra de Deus tem previsto um sistema econômico mundial único que controla todo o comércio.
Laurie disse ainda que “A política econômica do anticristo será muito simples. Pegue a minha marca e me adoram, ou morreram de fome“, disse acrescentando que existem códigos de barras humanos e implantes de microchips que tem convertido em uma pratica em animais, mas tem sido difícil vender para seres humanos, disse o diário New York Daily News.
“Eu estou dizendo que esta tecnologia será a marca da besta? Não”, disse Laurie. “Apenas estou dizendo que a capacidade de retirar isto tecnicamente existe. Não sabemos quando começa o período da tribulação, se é em cinco ou vinte anos“, disse Laurie. “Mas, com a tecnologia de hoje em dia, sabemos que tudo isso é totalmente plausível. Mas não vamos raciocinar de forma exagerada.”, aconselha Laurie.
“Embora não saibamos exatamente quando a marca da besta aparecerá, sabemos que este grande engano virá sobre o mundo e muitos acreditaram na mentira que conduz a perdição, como adverte 2 Tessalonicenses 2:9 “porque se negaram acreditar na verdade que os salvará“. No momento da tribulação, escolherão acreditar em uma mentira que é o anticristo a quem chamaram de Deus”, disse Laurie. com informações padom