Web Radio Jesus Cristo Gospel: 2012-06-10

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Médicos querem colocar Pedro sentado, diz assessora da família



O cantor Pedro Leonardo durante ensaio (22/3/11)

O procedimento que dará sequência ao tratamento do cantor Pedro Leonardo será sentá-lo, contou a assessora da família, Ede Cury, na tarde desta terça-feira (22). O músico está deitado desde o dia 20 de abril, quando sofreu o acidente de carro. Segundo Ede, Pedro ainda vai passar por uma cirurgia na perna direita, que está com os ligamentos rompidos. "Sentar não deve atrapalhar o processo", disse ela.
Internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, Pedro tem quadro de saúde estável, mas segue em UTI, de acordo com boletim emitido na noite desta segunda. "O cantor Pedro Leonardo foi submetido a uma cirurgia ortopédica para correção de fratura de fêmur. O procedimento foi realizado pelo doutor Sérgio Rudelli e transcorreu sem intercorrências", dizia o comunicado.
A assessora da família comentou que o médico responsável pelo cantor, Roberto Kalil, reservou parte da sua sala para guardar cartas de fãs do sertanejo. "Assim que ele conseguir, vai responder todas", disse a assessora. O cantor também pede para deixar músicas tocando no quarto. 
Na manhã desta terça, Pedro passou por uma cirurgia na perna esquerda, que estava com o fêmur fraturado. Ele acordou horas depois, reclamou de dores na perna e tomou remédios para dor e para dormir. O cantor estava falando com familiares e brincando com os médicos. "Ele até mandou um beijo para a enfermeira antes de seguir para o centro cirúrgico", contou Ede. Um aparelho foi instalado próximo às cordas vocais do cantor, que já havia passado por uma traqueostomia, para que ele possa falar com mais facilidade.
  • Taís Toti/UOL
    Leonardo comemora primeiras palavras de Pedro após o acidente
Recuperação
Pedro, que estava em coma desde o dia do acidente, acordou no último domingo (20). Carlinhos Silva, o "ex-Mendigo" do "Pânico", que também participou do reality show "A Fazenda", da Record, foi ao hospital e comemorou a recuperação do amigo. "A gente estava esperançoso, mas não sabíamos quando ele iria voltar do coma. Veio mais rápido do que a gente imaginava. O médico Ricardo Kalil também disse que foi surpreendente Pedro ter acordado".

Na segunda, Ede disse que conversou com Pedro. "Contei que estava cheio de jornalistas na porta do hospital e ele respondeu: ‘pirei!’. Quando soube que a Maria Sophia [filha dele de 1 ano de idade] começou a andar, ele abriu um sorriso. Falamos também que o Thiago [primo e parceiro musical]  virá para conversar sobre os shows, e ele respondeu: 'eu vou, eu vou', se referindo às apresentações".

O cantor Leonado visitou o filho no hospital na segunda-feira e disse que a recuperação de Pedro foi a melhor notícia que já recebeu em seus 48 anos de vida. "Quando me ligaram ontem e falaram que ele falou, nunca tremi tanto. Parecia que eu estava em marcha lenta", disse.

Leonardo, que no último mês esteve sempre com aspecto abatido, chegou ao hospital sorridente e aparentando estar muito feliz. Ele foi recebido por um grande número de fãs, que gritaram seu nome e o aplaudiram.

Acidente de carro
Pedro Leonardo sofreu um acidente de carro por volta das 6h55 no dia 20 de abril na rodovia MGC-452, no município de Tupaciguara (MG), próximo à divisa de Minas Gerais com Goiás. O jovem estava sozinho no carro e havia saído de um show com o primo, Thiago, na cidade de Uberlândia. Segundo a TV Paranaíba, afiliada da Record, em Uberlândia, um militar teria afirmado que Pedro dormiu ao volante, foi para o acostamento, capotou e foi jogado para fora do carro.
Pedro é pai de Maria Sophia, nascida em maio do ano passado. A menina é a primeira neta do cantor Leonardo. Em 2009, ele participou do reality show "A Fazenda", da Record, e foi eliminado na última semana do programa.

Pedro Leonardo no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo



Foto 21 de 21 - Fã do cantor Leonardo, a dona de casa Antônia Araújo Serrano, de 60 anos, saiu da Ponte Rasa (zona leste de São Paulo) para entregar uma carta à Pedro. "Sou muito fã do pai dele. Escrevi uma carta simples, mas de coração", ela disse. "Querido Pedro, sei que você não me conhece, mas torci muito pela sua cura. Fiz um pedido para São Pedro que te curasse", escreveu na carta (22/5/12) Amanda Serra/UOL

Presidente Dilma reconhece música gospel como cultura; ex-deputado diz que lei corrige "distorção e discriminação"



A cantora gospel Aline Barros; gênero musical agora é considerado cultura




Por meio de sanção publicada nesta terça-feira (10) no Diário Oficial da União, a presidente Dilma Rousseff reconheceu a música gospel e eventos relacionados ao gênero como manifestação cultural. Com isso, projetos de artistas, padres e pastores que fazem shows de música religiosa poderão se inscrever no Ministério da Cultura para obter recursos pela Lei Rouanet, que dá incentivo fiscal a empresas que financiam eventos culturais.

O ex-deputado e pastor evangélico Robson Rodovalho (PP-DF), autor do projeto, explica que a ideia é corrigir "uma distorção e uma discriminação" que a música religiosa sofria. "Em aniversários de cidades, quando alguma prefeitura queria contratar um show de música evangélica, o Ministério Público vetava porque entendia que o Estado, por ser laico, não deveria apoiar uma religião. Temos tantos processos contra essas manifestações que a única saída era considerar esse tipo de música cultura", explica.

Ele não acha, no entanto, que possa haver o favorecimento de religiões, porque a lei veta projetos de autoria de igrejas. "Não acho que haverá beneficiamento de igrejas porque não se ganha nada com isso. Tanto que, o que hoje acontece em muitos festivais de música é haver uma noite para artistas católicos e evangélicos, o que é legítimo."

Apesar de o texto publicado no Diário Oficial não especificar que tipos de música seriam considerados gospel, o deputado explica que trata-se de toda música que tiver temática religiosa.

Rodovalho salienta que a lei beneficia o gênero porque o iguala às outras expressões culturais. "Antes, a Coca-Cola não ia patrocinar um evento evangélico porque não patrocina religiões nem partidos, mas o nosso público também consome, e devia ser respeitado como os outros. Um evento como a 'Marcha para Jesus', que não era patrocinado porque não podia, agora vai poder", diz. "É preciso que haja também uma mudança de mentalidade das agências [de publicidade], para tratarem esse segmento como público."

Para o diretor da gravadora gospel "Canzion", Daniel Nunes, a lei pode incentivar o aumento de shows gospel, porque o gênero "está na moda". No entanto, o fato de a música religiosa no país ainda estar muito ligada à religião --diferente do que ocorre nos Estados Unidos, que é mais considerada como um gênero musical-- ainda pode afastar patrocinadores particulares: "As marcas não querem se associar a essas bandas. A cultura de considerar música gospel como gênero musical vai demorar muito para mudar no Brasil. Não acho que a lei vá mudar isso, mas pode ajudar", diz.